5 dicas para reduzir o custo de frete - Moveideias
2863
single,single-post,postid-2863,single-format-standard,,qode-child-theme-ver-2.0,qode-theme-ver-9.1.3,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1,vc_responsive

29 jun 5 dicas para reduzir o custo de frete

Na logística, a gestão de custo de frete é um fator essencial para manter a lucratividade das operações. Além do mais, o controle eficiente das demandas gera bons resultados, não só para a empresa como também para o cliente final.

Que tal aprender um pouco mais sobre gestão de custos e otimizar seus investimentos na entrega de produtos? É exatamente isso o que vamos fazer a seguir. Então, leia atentamente nossas dicas e evite gastos infrutíferos.

1. Consolidação de envios

Quando se fecham contratos para prestação de serviço de entregas com transportadora, é possível determinar e negociar separadamente o custo de cada etapa do transporte.

Você pode dividir o valor com base nas seguintes distinções:

  • Coleta
  • Frete peso (custo do traslado até a base ou o centro de distribuição do destino)
  • Entrega
  • Impostos

Desses quatro aspectos, apenas os impostos não podem ser negociados, porém a coleta, o frete peso e a entrega, sim. Veja como pode conseguir vantagens:

Partindo da premissa de que você gera um volume diário de cargas razoável, é de interesse do parceiro logístico fechar o negócio. Como há coleta diária e o custo é insignificante ao ser dissolvido na quantidade de entregas, veja a possibilidade de obter a isenção desse custo.

Já no frete peso, você pode sair ganhando ao consolidar o máximo de carga possível a ser enviada no mesmo dia, pois assim reduz o custo de coleta do transportador e pode negociar melhores descontos.

Na entrega, é bastante complicado, a depender da localidade, mas você pode reunir todas as propostas apresentadas pelos transportadores e identificar a que tenha o menor custo. Feche nesse valor ou abaixo dele, desde que seja viável para o tipo de produto.

2. Auxílio de ferramentas tecnológicas

Ao utilizar softwares atualizados para gerir a logística da sua empresa, você economiza tempo com análises demoradas e obtém diversos relatórios que podem ajudar a medir a eficiência da operação. Também é possível corrigir eventuais falhas, identificar se quem está errando é você ou a transportadora e poder agir diretamente no foco do problema.

3. Setor de expedição atento

Por ser responsável pela liberação de pedidos e emissão de notas fiscais, em alguns casos o setor de expedição pode ser o vilão da história. Não muito raro ocorre de o cadastro de cliente ser realizado com dados incorretos ou não serem feitas as devidas atualizações cadastrais, resultando no envio de pedidos para endereço errado, gerando desgaste com o cliente e custos de reentrega.

4. Frequência de envios para a mesma região

Ao coletar as informações do seu sistema de vendas, identifique as regiões que atraem a maior quantidade de entregas. Ao ter esses dados em mãos, chame o transportador para negociar preços sob demanda para essa rota. Ganha o fornecedor pela garantia de faturamento e ganha você pelos descontos a serem alcançados.

5. Diversificação de transportadoras por etapas

Se você já passou por todas essas etapas e o fornecedor atingiu o seu limite, busque reduzir o custo de frete na entrega ao cliente final (última milha) retirando essa etapa do fornecedor inicial e transferindo para outra empresa que ofereça preços mais atrativos. Algumas empresas pequenas de entrega rápida não possuem grande demanda, de modo que aceitar contratos com preços menores para grandes quantidades é uma forma de otimizar os seus gastos e gerar mais lucros.

O que achou das nossas dicas? Você já as coloca em prática na gestão da sua companhia? Divida conosco suas experiências deixando o seu comentário. Ele é muito valioso, tanto para nós quanto para outras empresas.